A escova especial

Viegas_Matilde_mariamélia_belomonte-46.jpg

Conversa com o responsável da Escovaria de Belomonte, Rui Rodrigues, que mantém a última escovaria da cidade a funcionar dentro da família, na terceira geração. Nestes dois artigos anteriores conto a história da Escovaria até aos dias de hoje. Nesta conversa, falamos muito do valor dos produtos artesanais, de como estas peças podem ser objetos de culto ou mesmo de luxo e do gosto em fazer bem.

[Em 2007]

Rui Rodrigues: Isto [a escovaria] esteve para fechar porque a família queria dar isto à Fatinha porque era a única que percebia de escovas, mas ela dizia que se “eu estiver aqui a fazer escovas não vou andar lá fora a vender, quem é que vem aqui comprar?”. E por isso a Fatinha não quis. Eu trabalhava na área da decoração de interiores, sempre trabalhei com madeiras e cortiças e gostava muito destas coisas, e então propus à minha mulher ficarmos com isto. A família em vez de fechar isto, passou-nos o negócio. A partir daí fui ver o que havia no antigamente, é muito parco em história escrita e desenhos, tem muito pouco, mas o que tinha deu para nós fazer-mos um “filmezito”. Então começamos a investir nas escovas pessoais, as escovas domésticas, mas com uma mais-valia: [escovas] bem trabalhadas com madeiras. 

Filipa Cruz: Começaram a voltar a coisa para a qualidade.

Rui Rodrigues: Exatamente. Portanto, fazer com qualidade e com cerdas naturais, porque já se tinha acabado com isso, usavam-se os nylons porque as cerdas naturais para a indústria não tinham interesse nenhum. Embora nós agora, trabalhamos com o pelo natural para a indústria, misturado [com pelo sintético] porque achamos que funciona melhor, tanto funciona que os clientes pedem “É destas que eu quero”. Então peguei nisso, fui fazendo algumas coisas diferentes, as coisas foram dando resultado e agora têm vindo a crescer, aos pouquinhos. E a partir daí houve gente que se começou a interessar por isto: “Olha que giro, fazer à mão…” e o passa-palavra e a qualidade começou-nos a trazer mais gente. E agora não só temos a indústria (que é uma coisa que ainda nos mantém), e temos mais indústria, que procura o feito à mão porque é mais resistente e dura mais tempo. E também temos as escovas pessoais e domésticas que também se começam a vender muito mais. Embora eu costumo dizer que as nossas escovas domésticas e pessoais não têm preço, têm um valor: o valor que nós lhe damos. Porque na realidade, chega a uma determinada altura e não é o preço que conta, é a qualidade da coisa e a garantia que nós damos em como aquilo funciona para uma determinada função…

Filipa: E que dura a vida inteira…

Rui: … e que dura a vida inteira. A menina compra e depois fica para os filhos, dos filhos para os netos, na boa. Ainda outro dia tivemos aí uma escova que já tinha aproximadamente 80 anos, reparámo-la e a senhora foi felicíssima da vida com aquilo. Nós temos ali uma escova que trabalhou durante 40 anos com um engraxador: ela está praticamente nova. Tem o desgaste do tempo: pôr a mão, a madeira empenar um bocado, mas a função está lá, ainda pode ser usada. 

Filipa: Ainda dura mais 100 [anos].

Rui: Exatamente. Foi aí que nós pegamos, nesse tipo de trabalho e começamos a dar-lhe uma roupagem diferente. Entretanto, há coisa de dois anos foi começando a entrar o meu filho, portanto, eu sou a terceira geração, se assim se pode dizer (seria a minha mulher mas sou eu) e o meu filho, portanto, a quarta geração. E pronto, ele deu um ‘safanão’ maior a isto. Já está num patamar que não estava há dois anos. Ele há um ano atrás conseguiu com que isto crescesse mais um bocado, honra lhe seja feita, não me custa nada admitir. Isto é sempre assim: ou vem um que melhora ou vem um que deita tudo abaixo, é mesmo assim.

Filipa: Mas tem que haver mudança…

Rui: Tem que haver mudança. A mudança é sempre difícil, porque eu sendo mais velho, como conhecedor do mercado, nunca deixo: “Vá, podes fazer”. Fui sempre cortando. Embora por vezes ele tinha razão, mas eu também não lha dava logo para ele perceber que as coisas não são como queremos, às vezes é como podemos. Então fui cortando. Mas houve uma altura que tive de começar a dar e realmente tem vindo a dar resultado. Agora estamos os dois ainda meio-meio, mando meio eu, manda meio ele. Isto é futuro para ele, vamos ver… em princípio é isso que nós estamos a preparar. O futuro para ele terá que ser bem melhor que o da altura em que eu tinha a idade dele. (…) Eu já consegui, depois do sr. Fernando, aumentar um bocadinho as coisas [o negócio] para melhor e agora o Sérgio com certeza que os horizontes dele são outros. Portanto, é assim que estamos neste momento na Escovaria de Belomonte. 

Filipa: Estava a dizer que uma parte considerável [dos clientes da Escovaria] ainda é a indústria.

Rui: Sim, ainda é o que mantém isto, neste momento ainda é a indústria.

Filipa: A indústria especializada principalmente do têxtil ou já é uma mistura de várias indústrias?

Rui: É uma mistura: industria têxtil, indústria do calçado nem tanto porque ainda está muito difícil… mas também fazemos. Indústria têxtil, indústria do queijo, chocolate… é basicamente isso. Esta aqui é para a indústria de papelaria.

Filipa: A outra parte então já são os clientes finais…

Rui: Exatamente, que compram ou porque gostam ou porque… Isto é assim, a menina para comprar uma escova pessoal ou uma escova de calçado pode gastar 100 euros, até pode gastar mais, neste momento pode gastar até 104 [a escova mais cara], mas pode gastar muito mais… Mas imagine uma escova para calçado: quem gasta 100 euros numa escova não vai levar só uma, porquê, porque o calçado não se contenta só com uma escova. O calçado tem uma escova para puxar a cera, outra para puxar brilho, e outra para limpar diariamente. E quem compra uma escova dessas é alguém que tem uma calçado que não é igual ao meu e que custa, sei lá…

Filipa: … várias vezes essa escova, não é?

Rui: Exatamente. 

Filipa: Que é para ser proporcional ao investimento.

Rui: Claro. A primeira vez que eu vendi o par de escovas, o kit completo, o cliente disse: “Eu quero tudo… porque eu tenho sapatos que custam 2000 e 2500 euros, por isso eu tenho de tratar isto 5 estrelas.” [Neste contexto] 400 euros o que é, não é nada. E fica para uma série de calçado. Portanto isto é tudo proporcional aquilo que cada um pode chegar.   

Filipa: E que quer, não é? Há pessoas que investem em certas coisas muito específicas.

Rui: Sim, sim, exatamente. Eu às vezes gosto de ver… para me aperceber do que é o luxo. Eu tive aqui uma senhora que veio cá comprar uma escova de propósito, porque nós fazemos aquelas escovas [aponta para a vitrine]. São 10 [ao todo], nós vamos na quinta, ela levou a quarta. Ela queria levar a primeira, mas a primeira já tinha ido.

Filipa: Porque há peças que vocês numeram?

Rui: Exatamente. Está em quatro de dez, vou fazer agora a quinta.